Autor: Tamiris Carvalho

Ibama estabelece procedimentos à supressão de vegetação em Mata Atlântica

mata atlantica

Publicada no Diário Oficial da União em 22/03/2019, a Instrução Normativa nº09/2019 do Ibama, estabelece novos critérios e procedimentos para anuência do Instituto à supressão de vegetação em áreas de Mata Atlântica.

A análise dos pedidos passa a ter como foco as vedações previstas na Lei da Mata Atlântica e as informações apresentadas pelos órgãos estaduais que conduzem os processos de licenciamento ambiental.

Para garantir que ocorra a compensação ambiental exigida na legislação federal, a IN 09/2019 dedicou um capítulo ao monitoramento das áreas em que há corte de vegetação autorizado, além de impor aos empreendimentos autorizados sem anuência prévia do Ibama, a obrigação de compensar o equivalente ao dobro da área suprimida.

A manifestação técnica do órgão ambiental estadual deverá ser encaminhada ao Ibama por meio de formulário padrão, que abrange todos os aspectos da Lei da Mata Atlântica.

Essa uniformização tem como objetivo assegurar a proteção ambiental necessária ao bioma e tornar mais eficiente o trâmite administrativo.

A IN n° 09/2019 também institui um sistema geo espacializado  que reúne informações sobre áreas suprimidas e de compensação em um banco de dados unificado.

Confira a Instrução Normativa 09/2019 na íntegra.

Conheça a Ecossis.

(fonte: ibama.gov)

Saiba Mais
dica ambiental

Você sabia: 98% da Energia produzida na Escócia é de fontes renováveis

A jornada da Escócia rumo à 100% de energia renovável está cada dia mais próxima, após anunciar a maior usina eólica flutuante do Mundo. No mês de março de 2019 foi constatado que 98% da energia produzida no país está sendo gerada por usinas eólicas espalhadas por todo seu território – mostrando que é possível abandonar o combustível fóssil.

Os 98% produzidos pelas turbinas é o suficiente para abastecer 5 milhões de casas. Como o vento é um fenômeno da natureza e, por consequência, não é possível controlá-lo, há uma grande variação entre os dias do mês – que atingiu entre 64% da demanda a 234%. Mesmo assim os resultados são animadores, uma vez que os massivos investimentos são relativamente recentes e os frutos são visíveis.

energia na escócia

Tanto residências, quanto prédios comerciais e lojas locais foram levados em consideração na conta. Portanto ainda persiste o desafio de armazenar energia elétrica de forma eficiente e escalável – para garantir o sucesso dos investimentos realizados.

“Isso comprova que o modelo funciona: ajuda a reduzir as emissões por um custo razoável de produção de energia renovável”, explica Sam Gerdner, diretor da WWF da Escócia.

O próximo passo, segundo ScottishPower, uma das empresas atuantes no país, é investir em estrutura e veículos elétricos.

 

Conheça a Ecossis.

(fonte: thegreenestpost.com)

Saiba Mais
dica ambiental

Moda Sustentável – tênis feitos com sobras de café

A indústria da moda é conhecida por ser uma das mais poluidoras do Planeta, em contrapartida, já está cheia de iniciativas sustentáveis para tentar compensar o seu grande estímulo ao consumo descartável.

A empresa vegana Nat-2 está utilizando o café para colorir o “couro” feito a partir de garrafas plásticas recicladas, a moda pode sim ser sustentável. Além de não utilizar nenhum material de origem animal, os tênis são fabricados com tecnologia que minimiza a emissão de dióxido de carbono, ajudando a manter sob controle a poluição local.

Os tênis veganos tem design unissex e a única diferenciação é o estilo, que pode ter canos mais altos ou mais baixos, dependendo do gosto de cada um. Segundo a empresa, todos os modelos apresentam um cheiro que lembra o café, devido a sua composição.

moda sustentável

Vestir-se bem com sustentabilidade já é uma realidade!

 Conheça a Ecossis.

(fonte: thegreenestpost.com)

Saiba Mais
dica ambiental

Horta escolar muda hábitos alimentares e incentiva consumo sustentável

Desenvolvido na Escola Municipal Rui da Costa Val, região norte de Belo Horizonte, o projeto: Educação Ambiental e a Construção de Práticas Ecológicas e Sustentáveis a Partir do Desenvolvimento de Horta Escolar, estimula novas práticas educativas, além de, incluir os espaços não utilizados da escola em atividades pedagógicas.

São 12 canteiros para as hortas que produzem alimentos como tomate, cebolinha, alface, pimentas, pimentão e cenoura, entre outras verduras e legumes.horta escolar

O projeto, que possibilitou a redução em 90% do desperdício dos alimentos da merenda escolar, conta com a participação de alunos com idades entre 6 e 14 anos.

A proposta é ampla e inclui a criação de uma cultura de desenvolvimento sustentável com foco na economia e preservação da água, na redução do consumo de energia elétrica, e na conscientização sobre a necessidade de descartar de forma adequada lixo e resíduos, e da preservação do córrego, que fica próximo à unidade de ensino.

Além dos alunos, as atividades envolvem toda a comunidade escolar, já que as crianças acompanham também parte do processo de preparo do alimento.

Com uma mudança nos hábitos alimentares, o projeto também surtiu efeito no comportamento das crianças, os alunos estão mais conscientes sobre como cuidar do meio ambiente e estão aprendendo a se relacionar melhor com seus professores, colegas, familiares e funcionários da escola.

Que tal reproduzir esta ideia?

Conheça a Ecossis.

(fonte: prefeitura.phb.gov.br)

Saiba Mais

Incentivos financeiros para a Conservação do Pantanal

Durante o 3° Encontro da Carta Caiman, a pauta sobre a Conservação do Pantanal foi discutida pelos representantes de governos estaduais, de empresas e de ONGS onde um das medidas pensadas foi remunerar o produtor local que tem área protegida, com valores acima da legislação, essa medida seria uma forma de compensação justa e efetiva para valorizar as áreas onde a vegetação nativa está conservada. O objetivo dessa proposta é garantir o retorno financeiro para viabilizar a gestão da unidade de conservação. 

Além de discutir essa medida, também foram assumidos compromissos para o desenvolvimento e proteção do Pantanal, documentados na então Carta Caiman, que teve sua origem em 2016. 

Agilizar a aprovação da lei do Pantanal, estabelecer áreas de interesse para o econegócio, rever os plantios de monoculturas, implementar o pagamento por serviços ambientais e assegurar o modelo de conservação da Reserva da Biosfera, estes foram alguns dos compromissos já assumidos e documentados na Carta Caiman, que também apresenta princípios de proteção e desenvolvimento para a Bacia do Alto Paraguai. 

Considerado o bioma mais preservado do Brasil, o Pantanal tem ainda 86% da sua área coberta por vegetação nativa, no entanto, o cenário preocupa. No último monitoramento da cobertura vegetal e o uso do solo da Bacia do Alto Paraguai, constatou-se que o desmatamento da planície equivale a uma área de cinco campos de futebol a cada hora.

Estudiosos ainda afirmam que para ter sucesso, as iniciativas, como esta, precisam do todo: instituições, ONGs e a comunidade fortalecendo e sensibilizando o poder público a estabelecer políticas efetivas de desenvolvimento. 

 

Conheça a Ecossis.

(fonte: g1.globo)

Saiba Mais
RESPONSABILIDADE-SOCIOAMBIENTAL

Brasil é o 4º maior produtor de lixo plástico do Mundo

No relatório divulgado em março de 2019, pela WWF (World Wildlife Fund), o Brasil aparece como o 4º maior produtor de lixo plástico do mundo, gerando mais de 11,3 milhões de toneladas por ano, dos quais apenas 1,28% é reciclado.

plastico-reciclagem-montanha

A gerente do Programa Mata Atlântica e Marinho do WWF, Anna Carolina Lobo e o presidente da Associação Brasileira da Indústria do Plástico (Abiplast), José Ricardo Roriz Coelho, acreditam que o baixo índice é um reflexo, principalmente, da falta de infraestrutura para atender a grande demanda. Em suas falas enfatizam que os grandes influenciadores desse baixo índice do plástico reciclado são o consumismo desenfreado, descarte incorreto de resíduos sólidos, ausência de uma efetiva coleta seletiva, baixa conscientização e educação ambiental da população, baixa valorização de produtos feitos de material reciclado e falta de incentivos fiscais à cadeia, impossibilitam um maior índice de reciclagem no Brasil.

Além de apontarem esses fatores, eles se manifestaram sobre o resultado do relatório. A Abiplast divulgou uma nota apontando o que acredita ser um equívoco nos dados de geração de lixo plástico e índices de reciclagem apresentados pela organização em comparação aos dados apresentados pelo IBGE, devido a simplificações na metodologia. “Segundo o IBGE, o Brasil consumiu 6,3 milhões de toneladas de produtos transformados plásticos em 2016, sendo que 2,1 milhões de toneladas se referem a embalagens e equiparáveis pós-consumo. Já de acordo com a FIA, a reciclagem de plásticos no Brasil, naquele mesmo ano, foi de 550,4 mil toneladas. Logo, temos um índice de reciclagem de cerca de 26% no País”, afirma.

Na visão de Anna, a utilização do plástico vai além da necessidade e beira uma prática cultural. “Chegamos a um ponto em que o custo é tão baixo e a acessibilidade é tão grande que as pessoas não param para pensar em alternativas baratas já existentes para isso”, avalia. Anna enfatiza: “95% dos plásticos quando passam pelas mãos das pessoas acabam sendo descartados no primeiro uso.” 

descarte

A rentabilidade da matéria-prima reciclada depende da qualidade do material. Segundo o WWF, a garantia de qualidade existe quando há poucas impurezas no plástico e quando ele é uniforme (oriundo de uma mesma fonte). “O sucesso desse processo depende que valor pelo qual esse plástico é negociado do volume (que permita atender demandas industriais)”, afirmou a organização em texto publicado no site.

Conheça a Ecossis.

(fonte: economia.estadao)

Saiba Mais
RESPONSABILIDADE-SOCIOAMBIENTAL

Planejamento de cidades Brasileiras recebe apoio do INPE

O Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) está disponibilizando imagens de alta resolução para auxiliar no planejamento urbano das cidades brasileiras, monitoramento ambiental e elaboração de projetos de infraestrutura.

As imagens de satélites de alta resolução obtidas estão disponíveis para uso de todos os entes da administração por meio do Catálogo de Imagens de Satélite administrado pelo Instituto.

satelite inpe

As imagens oferecem várias possibilidades de aplicação pela administração pública, podendo servir de ferramenta para atividades como planejamento urbano, elaboração de projetos para obras de infraestrutura, monitoramento ambiental e prevenção de desastres naturais, entre outras.

Os gestores de diversas secretarias do governo ficaram empolgados com a iniciativa do INPE, que tem colaborado na redução dos custos, além disso, o compartilhamento permite a prevenção de aquisições duplicadas de imagens por diferentes interessados e o ganho de escala do acervo disponível.

O uso compartilhado da ferramenta já trouxe economia para o governo no valor de R$ 800 mil em relação ao custo de aquisição de imagens. Caso não houvesse esse compartilhamento, o valor estimado dos contratos desse tipo de serviço somaria R$ 14,3 milhões, contra R$ 13,5 milhões do valor efetivo de contratação. Ou seja, até o momento, a iniciativa resultou em economia de 6% em relação à estimativa inicial de custo.

Com o novo processo, as imagens estarão disponíveis no Catálogo de Imagens do INPE. Assim, uma vez adquirida uma imagem, qualquer órgão ou entidade pública pode utilizá-la, independentemente da finalidade da aplicação ou de assinatura de termo de cooperação. Esse compartilhamento garante a reutilização da imagem sem um novo custo. E o acervo deve ser ampliado na medida em que novas imagens sejam adquiridas pelas instituições que participam do Sistema de Registro de Preços.

Conheça a Ecossis.

(fonte: archdaily.com)

Saiba Mais
dica ambiental

ONU promove festival de cinema sobre desenvolvimento sustentável

As inscrições para o Festival de Filmes ODS em Ação estará recebendo inscrições de curtas-metragens até o dia 28 de abril de 2019. Os vídeos inscritos devem promover o cumprimento dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas, essas metas são conhecidas pela sigla ODS, que dá nome à mostra. Serão aceitos filmes como produções audiovisuais de animação ou live-action, de cineastas amadores e profissionais, com até 20 minutos de duração.

festival onu

Os interessados devem se candidatar em uma das seis categorias do festival:

· Protegendo o nosso planeta;

· Reduzindo desigualdades;

· Construindo a paz;

· Garantindo educação e empregos de qualidade;

· Jovem Cineasta (com 24 anos de idade ou mais novo);

· Os ODS em Realidade Virtual/360º.

O mostra dos vencedores de cada categoria deverá ocorrer na própria sede da ONU, em Nova Iorque, no mês de julho de 2019. Os cineastas vencedores serão convidados a participar de uma série de atividades relacionadas ao Festival. O evento será gratuito e aberto para todos os participantes do Fórum Político de Alto Nível da ONU e também para membros do público que se registrarem para assistir aos filmes.

O Festival de Filmes ODS em Ação foi lançado em 2018, em associação com o Fórum Político de Alto Nível sobre Desenvolvimento Sustentável, que acontece anualmente na sede das Nações Unidas, sempre no mês de julho. A mostra é coordenada pela Divisão para os ODS do Departamento da ONU de Assuntos Econômicos e Sociais (UNDESA).

festival onu

 

Para se inscrever, acesse a página do festival na plataforma FilmFreeway clicando aqui.

 

 

Conheça a Ecossis.

(fonte: nacoesunidas.org)

Saiba Mais
dica ambiental

Roubo de “dragões” encerra turismo na Ilha de Komodo

O dragão-de-komodo é a maior espécie de lagarto conhecido na Terra, eles vivem na ilha Indonésia de Komodo. Essa ilha é um dos pontos turísticos mais procurados do país, justamente por ser lar dos lagartos “dragões” que é um animal raríssimo e muito ameaçado. 

Embora a maior parte dos animais estejam protegidos dentro do parque nacional da ilha, muitos deles têm sido roubados e vendidos no exterior, onde seu valor supera facilmente os quatro dígitos. 

O roubo dos dragões tem gerado uma grande preocupação nos administradores do parque nacional, onde, somente no mês de março, mais de 40 dragões teriam sido roubados de Komodo para ser contrabandeados por caçadores furtivos.

Como uma medida de proteger os animais, o parque encerrará suas atividades turísticas por um ano a partir de janeiro de 2020. 

 

Além dos “dragões”, foram apreendidos ursos e catatuas. Outra tentativa de venda ilegal de cinco dragões-de-komodo no Facebook foi frustrada pelas autoridades. 

Com encerramento das atividades, no próximo ano, as autoridades da Ilha de Komodo vão iniciar um programa de conservação para aumentar a população dos dragões, que hoje é de 5,7 mil espécimes, enquanto preserva seu habitat. 

 

Conheça a Ecossis.

(fonte: exame.abril) 

Saiba Mais
RESPONSABILIDADE-SOCIOAMBIENTAL

Ecossis Portas Abertas! Empresa recebeu alunos do curso de Gestão Ambiental

Programa Ecossis Portas Abertas recebeu pelo segundo ano consecutivo,  alunos do curso de Gestão Ambiental.

No dia 24 de abril de 2019, a empresa de Consultoria Ambiental, Ecossis Soluções Ambientais, recebeu pelo segundo ano consecutivo a visita técnica dos alunos do curso de Gestão Ambiental do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul (IFRS), Campus Viamão.

Foram 35 alunos que, guiados pelo Coordenador do Curso, Prof. Dr. Denirio Marques e recepcionados pela Gerente Executiva e Oceanógrafa da Empresa, Srta. Caroline Nascimento, visitaram as instalações da sede da empresa em Porto Alegre/RS, onde conheceram as rotinas de trabalho de uma empresa de consultoria ambiental, receberam materiais informativos sobre os serviços prestados, vivenciaram o ambiente de trabalho e conversaram com os gestores e colaboradores da empresa, recebendo dicas e trocando informações.

 

Durante a visita também foi passado para os alunos o vídeo institucional da Ecossis, no qual além de apresentar a empresa também é mostrado como realizamos alguns serviços, nossa visão e valores.

Assista ao vídeo

Após a visita os alunos foram convidados a realizar um lanche no gramado da empresa, em formato piquenique, gerando um ambiente descontraído e de bate-papo sobre os conhecimentos adquiridos.

Por fim, o Instituto Ecossis, organização sem fins lucrativos que leva o mesmo nome da empresa, fez um Quiz, dando de presente ao acertador (a) uma bolsa ecológica.

A Ecossis e o Instituto Ecossis acreditam que oportunidades como esta, formam pessoas e profissionais melhores e mais aptos para entrarem no mercado de trabalho.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Saiba Mais
Open chat